Braga
253 609 980
Lisboa
218 949 025

Notícias

Fique atento às últimas notícias do Instituto PME

A Formação modular certificada centrava o seu eixo de intervenção nos "activos com idade superior a 16 anos e que sejam detentores de baixas qualificações escolares e ou profissionais ou que possuam qualificações desajustadas às necessidades do mercado de trabalho" (cfr Despacho n.º 18223/2008, de 8 de Julho.

Considerando as alterações do contexto socioeconómico entretanto ocorridas, com o aumento muito significativo do desemprego, mesmo nas camadas da população com habilitações escolares de nível superior foi publicada a nota informativa pelo POPH que vem estabelecer que, desde que sejam desempregadas, as pessoas com habilitações escolares de nível superior já podem participar em Unidades de Formação de curta duração da componente de formação tecnológica, das Formações Modulares Certificadas, no âmbito do Programa Operacional Potencial Humano-POPH (tipologia de intervenção 2.3). Termos em que, ficou estabelecido a eliminação do limite à participação das pessoas detentoras de habilitações escolares de nível superior em Unidades de Formação de Curta Duração da componente de formação tencológica das formações modulares (tipologia de intervenção 2.3), desde que se encontrem na situação de desempregados.

Centro Novas Oportunidades do IPME irá realizar uma sessão de esclarecimento sobre a Iniciativa Novas Oportunidades na sexta-feira, 29 de Junho de 2012, às 20:30 horas.

Esta sessão de esclarecimento irá decorrer na sede da Junta de Freguesia de Atiães, é de entrada livre e destina-se a adultos, com idade igual ou superior a 18 anos, sem a escolaridade ao nível do 4º, 6º, 9º ou 12º ano que pretendam obter uma certificação escolar legalmente equivalente, ao 1º, 2º, 3º Ciclo do Ensino Básico ou ensino Secundário.

Como é sabido, a falta de habilitações é muitas vezes a razão pela qual muitas pessoas não conseguem aceder a ofertas de emprego, pois exigem como qualificações mínimas o 9.º ou 12.º ano. Deste modo, convidam-se todos os interessados em melhorar as suas qualificações a participar nesta sessão. Link Relacionado: http://www.pmeportugal.pt/files/billeder/PME_Portugal/QREN/Logotipo%20com%20qualificar%20%C3%A9%20crescer_jpeg.jpg

O Centro Novas Oportunidades do IPME, convida todos os interessados a participar nas próximas sessões de júri para o Nível Secundário, a decorrer nos dias 14 e 15 do corrente mês, pelas 18h30, no edifício Ideia Atlântico (Variante do Fojo). O processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de competências (processo RVCC) tem vindo a afirmar-se na sociedade portuguesa enquanto instrumento de qualificação dos adultos com competências adquiridas ao longo da vida em contextos formais, não formais e informais. As sessões de júri de certificação dos Centros Novas Oportunidades representam, formalmente, o culminar destes processos de qualificação. Os candidatos apresentam-se pública e oficialmente, perante um júri, composto por formadores das várias áreas do saber, por um profissional de RVC e por um avaliador externo da bolsa nacional, apresentam os seus portefólios de competências e um tema final condizente com a sua experiência de vida e transversal a todas as áreas de competências-chave.

O Centro Novas Oportunidades do IPME, convida todos os interessados a participar nas próximas duas sessões de júri de Nível Básico, a decorrer no dia 4 de Agosto, pelas 15h e 20h na Junta de Freguesia de Pedralva. Mais dezoito candidatos irão apresentar-se pública e oficialmente, perante um júri, composto por formadores das várias áreas do saber, por um profissional de RVC e por um avaliador externo da bolsa nacional.

O processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de competências (processo RVCC) tem vindo a afirmar-se na sociedade portuguesa enquanto instrumento de qualificação dos adultos com competências adquiridas ao longo da vida em contextos formais, não formais e informais. As sessões de júri de certificação dos Centros Novas Oportunidades representam, formalmente, o culminar destes processos de qualificação.

O Centro Novas Oportunidades do IPME promoveu, no passado dia vinte e oito, mais um júri de certificação para o Nível Secundário. Esta sessão contou com a presença de cinco adultos que, ao longo de nove meses, frequentaram um processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de competências para equivalência ao 12.º ano de escolaridade. O processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de competências (processo RVCC) tem vindo a afirmar-se na sociedade portuguesa enquanto instrumento de qualificação dos adultos com competências adquiridas ao longo da vida em contextos formais, não formais e informais.

As sessões de júri de certificação dos Centros Novas Oportunidades representam, formalmente, o culminar destes processos de qualificação. Os candidatos apresentaram-se pública e oficialmente, perante um júri, composto por formadores das várias áreas do saber, por um profissional de RVC e por um avaliador externo da bolsa nacional, apresentaram os seus portefólios de competências e um tema final condizente com a sua experiência de vida e transversal a todas as áreas de competências-chave.

Chamo-me Virgínia, tenho 51 anos, sou casada, tenho 2 filhos de 27 e 25 anos.
Estou hoje aqui para testemunhar a minha alegria e a minha felicidade por ter concluído um sonho que há muitos anos alimentava, embora com sucessivos adiamentos.

A razão principal que me encaminhou para As Novas Oportunidades foi um desejo muito pessoal de realizar um sonho: Aprofundar os meus conhecimentos e aprender mais, de modo a conseguir atingir o meu objectivo primordial, a minha realização como ser humano, na ânsia de me conhecer melhor, através da cultura. Tinha um desejo ardente em aumentar o meu nível de qualificação e isso foi a mola impulsionadora da coragem para continuar.
Foi um trabalho penoso, mas muito compensador. Eu transmiti aos meus formadores os meus saberes, as minhas experiências de vida e as minhas vivencias. Eles retribuíram com a sua dedicação, carinho e uma dose muito grande de paciência para ler o dossier vezes sem conta, alertar para incorrecções ortográficas e sintácticas.

Para os meus formadores, o meu muito “Obrigada” repleto de respeito.

Chegou a data do dia único, com momentos que julgaria impossíveis e irrepetíveis:

O dia de Júri, tão intenso, tão vivido e tão emocional!

Todos os adultos deram o seu melhor para apresentar um PowerPoint com o resumo de todo o seu trabalho e as fases da vida mais marcantes. Foi muito gratificante para cada um de nós. Houve momentos muito engraçados e de capacidade de resposta na interacção com os membros do Júri.
Sei que na minha atividade profissional não tenho qualquer hipótese de progredir na carreira, porque é necessário ser Licenciada. Mas, o gosto pelo ousar vencer, vingou! Nunca me dei por vencida e consegui concluir os objectivos propostos, equivalência ao 12ºano, com muito trabalho, muita persistência, muito apoio da minha família e dos meus formadores que sempre me incentivaram e acreditaram em mim.
Sinto muito orgulho no meu trabalho de RVCC, Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências, pois foi uma porta que se abriu na minha vida.
Revivi fases da existência que estão bem vivas e presentes na minha caixinha de memórias, com duração suficiente para desgaste físico e psicológico.

Os trabalhos eram executados e apresentados pós laboral. Mas gostei muito do resultado, apesar de alguns sacrifícios pessoais e familiares.

Desejo a todos os Formadores que continuem a lutar por este projecto. Acreditem que o vosso esforço e o vosso trabalho árduo são muito importantes para a formação e realização de muitos sonhos de pessoas que, no passado, por várias contingências da vida adiaram os seus projectos de ir mais longe.

Os senhores estão a semear cultura nas pessoas com menos habilitações e, em muitas situações, a criar-lhes melhores perspectivas de futuro…No meio das dificuldades encontram-se as oportunidades.

Com o diploma tenho possibilidade de me candidatar ao Ensino Superior, porque nunca é tarde na vida se a força é forte, “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena” (Fernando Pessoa).

Há uma frase emblemática da “Mensagem” que é meu lema de vida “ Deus quer, o Homem sonha e a Obra nasce”, logo, não vou desistir de prosseguir os trilhos da vida com a bengala da idealidade, acalentando o sonho de um futuro esperançoso, para todos os que lutam com intrepidez, pois, “em qualquer aventura, o que importa é partir, não é chegar”, como afirma Miguel Torga e o meu barco pede mais água e mais lonjura.

Virgínia Malheiro

Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Inovação apresenta infra-estruturas ímpares de apoio ao desenvolvimento das PME Por natureza, o início de actividade de qualquer empresa é difícil. Sendo este um dos cenários que potenciaram o surgimento do projecto Ideia-Atlântico – Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Inovação do Atlântico, de forma a desenvolver uma “estratégia coerente com os novos desafios e oportunidades, assente numa clara visão de futuro”.

É assim que os promotores do projecto o definem, acrescentando que o Ideia-Atlântico “irá dotar as novas estruturas empresariais das melhores e mais sólidas bases para conseguirem superar o desafio do início”. O projecto de Centro de Negócios e Incubadora de Empresas, no distrito de Braga. Em declarações ao Jornal das PME, Hermenegildo Mota Campos, administrador da nova entidade, explica que este moderno centro de negócios será “um espaço construído de raiz para as actividades económicas empresariais”, com particular destaque para aquelas que assentem em base tecnológica”.

O edifício, cujo projecto de arquitectura é da responsabilidade do gabinete de arquitectura, Ricardo Santos Oliveira, Lda. (RSO), “será suficientemente amplo e flexível para permitir a existência de um número considerável de empresas sedeadas”. Estima-se que o edifício terá capacidade para prestar apoio a mais de cem estruturas empresariais.

O espaço será dotado de qualidade, tanto a nível de envolvente, aspecto exterior, como compartimentação e decoração interior (arquitectura arrojada, moderna e sofisticada, mas funcional). Existirá uma padronização do atendimento, que garantirá a eficiência, o rigor e a isenção dos serviços.

Sob uma orientação contínua e dedicada em exclusivo a monitorizar o atendimento e a prestação de serviços, serão seleccionados recursos humanos especializados, alvo de formação dirigida e assente num plano de gestão da qualidade dos serviços.

“O nosso objectivo é desenvolver um edifício que não existe na região, permitindo a quem criou uma pequena empresa poder desenvolver a sua actividade com condições mais dignas, usufruindo de uma estrutura de apoio que não restrinja o crescimento da empresa”, realçou Hermenegildo Mota Campos. Combate ao risco de insucesso Ao criar e gerir um processo de fomento e sustentação de redes de cooperação, consultoria e formação, o Ideia-Atlântico visa combater o risco do insucesso das empresas nos primeiros três anos de actividade. Um risco aumentado sempre que falarmos de projectos tecnológicos. Segundo Hermenegildo Mota Campos, administrador, “é missão do Ideia-Atlântico promover um ambiente favorável ao fomento de empresas competitivas, com particular destaque para as empresas com perfil tecnológico”.

Das várias áreas de intervenção do Ideia-Atlântico, Hermenegildo Mota Campos destaca:

- a gestão directa da Incubadora de Empresas Inovadoras;

- actuação enquanto agente facilitador de redes de cooperação inter-empresas sedeadas;

- aconselhamento/acompanhamento e orientação do processo de constituição e arranque da empresa beneficiária;

- consultoria dirigida numa vertente tutorial com consultores especializados no acompanhamento dos projectos empresariais;

- disponibilização de serviços de alto valor acrescentado aos beneficiários, nomeadamente na criação de infra-estruturas totalmente adequadas à operacionalização do negócio tecnológico;

- facultar aos beneficiários um espaço físico de actuação, mas igualmente criando uma comunidade virtual de trabalho (VPN e IP fixo), através de Sistema de Comunicação Voz e Dados (sobre IP), permitindo flexibilidade, facilidade e adequação de sistemas de informação em tempo real de forma remota;

- sistemas logísticos de apoio à actividade, desde “netmeeting”, salas de reuniões com sistema de videoconferência e/ou presenciais, formação (em sala e/ou presencial e à distância/e-learning), auditório, show-room, incluindo bases de trabalho, tais como gestão documental, correspondência, reprodução e comunicação (voz, dados); - rede de contactos e informação nacional e internacional;

- disponibilização de uma rede de consultores generalistas e especialistas, com particular destaque para a gestão, área comercial e vendas, qualidade, ambiente e SHST;

- aconselhamento e assessoria técnica a fontes de financiamento via parceiros. Partilha da infra-estrutura de apoio Como Centro de Negócios que se assume, o Ideia-Atlântico apresentará uma verdadeira infra-estrutura de apoio, que partirá de uma partilha de recursos humanos/físicos e tecnológicos e de meios técnicos, sob uma gestão profissionalizada. Serão privilegiadas start-ups com um forte carácter inovador e tecnológico que visem o surgimento de novos produtos, serviços e ou processos associados à tecnologia, inovação e investigação aplicada.

As empresas a incubar poderão ser de qualquer região do país ou mesmo do estrangeiro, dado que o centro de negócios “oferece as condições necessárias para as empresas funcionarem em rede, quer com outros colegas de desenvolvimento, quer com a sede ou outras filiais da empresa, com enorme flexibilidade”.

Localização O centro de incubação Ideia-Atlântico, a entrar em funcionamento em Janeiro de 2008, irá nascer na Variante do Fojo, num espaço próximo à Universidade do Minho.

Ao constatarem a inexistência de qualquer infra-estrutura que cumpra os objectivos a que a incubadora de empresas se propõem, os promotores do projecto consideraram a área do distrito de Braga como zona de intervenção do Ideia-Atlântico. Tendo sempre em consideração os acessos, a localização, a forte implementação de micro e pequenas e médias empresas, bem como empresários em nome individual. A localização desta estrutura, e futuras estruturas também no âmbito deste projecto, está naturalmente inserida junto de centros de saber, como a Universidade do Minho, nos domínios de engenharias, sistemas de informação e comunicação, medicina, etc.) e com boas acessibilidades. As principais valências do projecto implicarão a fixação de quadros jovens e de elevado potencial ao tecido empresarial de cada uma das regiões onde irá criar novos centros de incubação. Para além de Braga, já foi assinado um outro protocolo com a Câmara Municipal de Cascais com o mesmo objectivo.

“A nossa ideia é criar centros de incubação em vários pontos estratégicos para o crescimento de micro, pequenas e médias empresas, não só em Portugal, mas igualmente no estrangeiro. Isto porque o funcionamento em rede oferecido pelo projecto permitirá às empresas uma enorme flexibilidade e perspectivas de internacionalização”, sublinha Hermenegildo Mota Campos.

--------------------------------------------

Espaços funcionais - Gabinetes / Escritórios dos Utilizadores - Open Space de Empreendedores - Coworking - Escritórios Virtuais; - Salas de Reuniões; - Salas de Formação e Auditório; - Armazéns; - Show-Room/Atrium Central - Centro de Cópias e Secretariado

--------------------------------------------

Serviços disponíveis - Secretariado, Telefonista e Acompanhamento Contínuo - Equipamento para Apresentações - Serviço de Papelaria/Centro de Cópias e Impressão, Gestão de Documentação - Rede de Voz e Dados e Informática - Sistema de Comunicação de Voz e Dados - Assessoria: Consultoria Técnica de Apoio à Gestão, Jurídica, Design, Apoio Financeiro/Corporate Finance, etc. - Divulgação/Publicidade/Marketing - Página Internet/Portal de Negócios - Show-Room/Átrio Central - Serviço de “Office Boy” - Zona de Cafetaria/Bar - Serviço de Segurança - Serviço de Limpeza - Outros Serviços

Conclui o objectivo a que me propôs, o que me deixou com vontade de continuar, de fazer algo que nunca imaginei fazer, ou seja, escrever o livro que nasceu através do portefólio “Detalhes de minha vida”. Nesse livro quero escrever as minhas raízes e a minha descendência, introduzir e divulgar o tema da paralisia cerebral, o qual o tenho vivido pessoalmente. Para isto o IPME, sem sombra de dúvidas, contribuiu muito mais do que eu imaginava. Não foi fácil conciliar a vida pessoal com a formação, mas com a ajuda dos meus filhos e nora, e vocês insistindo lá consegui ultrapassar todas as dificuldades. Ainda hoje me lembro daquela frase que vocês disseram “ está tudo dentro de vocês, das vossas vidas”, é como contar uma história triste e alegre e depois de ouvida ser avaliada. Neste caso e na minha opinião a escola incentiva-nos, corrige-nos, insiste para actualizarmos as nossas capacidades que no fundo estão dentro de nós um pouco adormecidas, e é o acordar para a vida quando confrontados que afinal temos tanto para aprender e ensinar. Estas oportunidades que agora me dão para subir na vida tanto a nível pessoal como profissional.
Hoje tenho a certeza que é muito importante ser avaliado e conseguir ter um diploma das nossas capacidades para o mercado de trabalho, seja ele qual for.
Enfim, foram muitos os ensinamentos que aprendi desde que entrei para as Novas Oportunidades. Depois de concluir o 9ºano, vocês incentivaram-me a prosseguir na minha formação, vontade não me falta, mas neste momento a minha prioridade é o meu filho, ele estará sempre em primeiro.
Eu que quando aqui entrei não tinha sonhos, nem objectivos e só olhava para um lado, hoje e com o vosso incentivo e empenho fiquei com uma visão mais clara e objectiva e com uma auto estima mais forte. Eu era alguém, mas faltava-me algo e vocês deram um empurrão para ser algo mais.

Esta é a minha modesta opinião.
Mais um retalho vivido…
Obrigada!

Ana Paula Couto Barbosa

O Instituto PME Formação que tem há quatro anos a funcionar ininterruptamente o seu Centro de Novas Oportunidades, realizou no passado dia 26 de Outubro de 2012 uma sessão de júri com quatro adultos, dos quais um obteve a certificação do 3º ciclo do ensino básico e 3 a certificação do nível secundário.

O processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de competências (processo RVCC) tem vindo a afirmar-se na sociedade portuguesa enquanto instrumento de qualificação dos adultos com competências adquiridas ao longo da vida em contextos formais, não formais e informais.

As sessões de júri de certificação dos Centros Novas Oportunidades representam, formalmente, o culminar destes processos de qualificação.
Os candidatos efectuaram uma apresentação pública e oficialmente, perante um júri, composto por formadores das várias áreas do saber, pelo profissional de RVC e por um avaliador externo da bolsa nacional, apresentam os seus portefólios de competências e um tema final condizente com a sua experiência de vida e transversal a todas as áreas de competências-chave.

O CNO do IPME convida todos os interessados a participar na próxima sessão de júri que irá decorrer no dia 21 de Novembro pelas 18h, no edifício Ideia Atlântico (Variante do Fojo).

Subcategorias

 

cheque formação jpg

Incentivo

Candidaturas Abertas!

 

O "Cheque Formação" visa o reforço da qualificação profissional, de ativos e desempregados, dotando-os de competências para serem mais competitivos no mercado de trabalho.

 

Quem se pode candidatar: 

?         A TÍTULO INDIVIDUAL – ativos e desempregados (inscritos no IEFP), beneficiários diretos da formação;

?         ENTIDADES EMPREGADORAS, relativamente aos seus trabalhadores.

 

Apoios Financeiros:

 

?         Ativos empregados 50 h de formação | 175 €

?         Desempregados 150 h de formação | 500 €*

(Os desempregados poderão ainda beneficiar de bolsa de formação, subsídio de refeição e despesas de transporte)

 

A IPME é uma entidade formadora certificada pela DGERT, habilitada para ministrar a formação ao abrigo do "cheque formação". Consulte a lista de ações de formação da IPME.

 

A IPME trata do seu processo/candidatura Cheque-Formação.

 

Aposte na sua qualificação e/ou na qualificação dos seus colaboradores.

 

Para mais informações contacte-nos.

www.ipme.pt , 253 609 980, 961 554 003, Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..